Ode ao amor: uma noiva cadeirante e nada convencional

Ode ao amor: uma noiva cadeirante e nada convencional

 O post sobre nosso noivado foi o mais lido do blog, engrossando o coro de estatísticas contra aqueles que acreditam que falar de amor é piegas. Talvez não seja claro para muitas pessoas, mas a qualidade dos nossos relacionamentos determina a qualidade de nossas vidas. Por exemplo: diga como você foi amado quando criança que, quase certamente, eu lhe direi como você ama quando adulto. Este é um dos primeiros lugares onde nós aprendemos a (e como) amar.

citei em outras oportunidades o quanto eu sou escandalosamente apaixonada pelo mar e para usufruir dessa riqueza única e me banhar nessa imensidão, eu sempre precisei estar amparada por alguém. Nesse último final de semana, pela primeira vez eu fiz esse ritual acompanhada do meu noivo. Para alguns, pode ser um simples banho de mar. Para nós, foi um ponto máximo de comunhão, o pico da felicidade serena, aquela que só pode nascer de relacionamentos robustos que permitem incorporar todas as partes de você mesma.  Continue lendo “Ode ao amor: uma noiva cadeirante e nada convencional”

Autoconhecimento: uma viagem sem destino final

Autoconhecimento: uma viagem sem destino final

“Aquele que não enxerga, não sabe o que não vê; se ele soubesse o que não vê, de alguma forma já estaria vendo. Já aquele que vê, pensa que tudo que vê é o que é, mas se ele soubesse que nem tudo que ele vê é o que é, de alguma forma já estaria vendo” é um dos trechos mais reflexivos do monólogo “A alma imoral”, obra de Nilton Bonder.

E sobre nós? O que mais conseguimos ver além do que nos mostra o reflexo do espelho? Quem eu seria se apenas soubesse que sou a aparência que causa surpresa em olhares que me veem pela primeira vez? Continue lendo “Autoconhecimento: uma viagem sem destino final”

O Rio de Janeiro continua sendo (!)

O Rio de Janeiro continua sendo (!)

Quase nove meses desde que eu saí da terra do dendê para morar na Cidade Maravilhosa e durante esse período já recebi visita de amigos (as) por algumas vezes. Na maioria delas, no trajeto do aeroporto para minha casa, precisei reforçar que as balas perdidas não sambam pelo ar com a frequência que aparentemente é apresentada nos telejornais. Longe de mim afirmar que não há um Estado vítima da corrupção e de sucessivas más gestões. Isso sem falar na violência urbana e no tráfico de drogas que tem um ar mais profissional que muitas empresas por aí. Mas, será que diante deste quadro que soa desesperança, as terras cariocas devem ser descartadas dos nossos planejamentos de viagem? Continue lendo “O Rio de Janeiro continua sendo (!)”

A importância da singularidade no processo de seleção de pessoas

A importância da singularidade no processo de seleção de pessoas

Pedro é gerente em uma multinacional e seu sobrenome é “trabalho”. Desde que ingressou neste emprego, há sete anos, ele se esforça para demonstrar suas competências técnicas e comportamentais.  Está online praticamente 24 horas por dia. O tempo dedicado à família, amigos e à academia está seriamente prejudicado. Sua alimentação está longe de ser adequada e frequentemente consome comida industrializada e lanches. Pedro possui uma série de fatores que o fazem acreditar que qualquer pessoa que não seja capaz de atender ao mesmo ritmo de trabalho que ele adota e a priorizar o trabalho em detrimento às outras esferas da vida não estão comprometidas com a carreira e o sucesso da corporação. Continue lendo “A importância da singularidade no processo de seleção de pessoas”

Noivado nas nuvens

Noivado nas nuvens

Certamente casar na igreja estava longe de ser um item na minha Bucket List. Para quem gosta de classificações, a justificativa poderia ser que a geração Y está impregnada por amores líquidos, afinal, é aparentemente rápido e fácil descartar coisas e também pessoas. O resultado? Relações frágeis e pouco duradouras. Mas essa justificativa me parece um pouco rasa e incompleta.

Aprofundando um pouco mais esse ponto de reflexão, é fácil perceber o desafio que é ter e manter um relacionamento saudável. Muito além de aprender a lidar com as manias e imperfeições do outro, você se depara constantemente com aquele seu lado que não é tão bonito e que seu orgulho teima em não lhe permitir enxergar. É através do outro que nós somos. O relacionamento com intimidade ajuda a nos mantermos honestos pois um pode passar a ser ao outro uma espécie de espelho. Continue lendo “Noivado nas nuvens”

Desbravando Taipu de Fora

Desbravando Taipu de Fora

Continuando nossa aventura pela Península de Maraú, depois de enfrentar as dificuldades de acesso para chegar em Barra Grande, não poderíamos perder a oportunidade de conhecer as belezas naturais de Taipu de Fora além de conferir de perto os desafios da acessibilidade desse lugarejo inesquecível. Continue lendo “Desbravando Taipu de Fora”