Saber ressignificar: a oportunidade de ser líder de si mesmo

Saber ressignificar: a oportunidade de ser líder de si mesmo

O hábito de dar um novo significado às nossas experiências e aos acontecimentos que nos ocorrem, quando é fruto de um processo de descobrimento de quais são as nossas crenças limitantes, não deve ser confundido com fuga da realidade ou visão imatura sobre a vida.

Ao colocarmos a nossa habilidade de ressignificar em função da nossa transformação pessoal, não estamos sofrendo com a “síndrome da Pollyana”, construindo um mundo onde todas as pessoas são boas e jogando o “jogo do contente”, que procura tirar o melhor de cada situação.

Em uma das alegorias mais importantes da história da Filosofia, Platão, em o Mito da Caverna, traz a reflexão sobre a visão distorcida que os seres humanos têm da realidade. Não vemos a realidade, mas nossa projeção da realidade. Continue lendo “Saber ressignificar: a oportunidade de ser líder de si mesmo”

Vincular-se à rotina sem estar condenado a ela

Vincular-se à rotina sem estar condenado a ela

Difícil acreditar que já estamos na semana do Natal (há quem não goste, só deixem em paz o pisca-pisca). E esse clima de final de ano é bem propício para fazermos aquela reflexão sobre os nossos resultados, para colocarmos na balança os pontos positivos e negativos do estilo de vida que estamos adotando, para revisarmos a lista de metas que estabelecemos para alcançarmos ao longo do ano. E, durante esse processo de autoanálise, não é difícil percebermos o quanto temos vivido com pressa. Muitos de nós corremos para chegarmos no horário no trabalho, damos um beijo de “bom dia” com pressa, temos pressa no trânsito, tomamos o café da manhã (para alguns isso é luxo) correndo, vivemos no esquema de trabalho das 9h às 18h e, muitas vezes, conseguimos entrar às 9h, mas raramente sair às 18h, o que parece fazer com que nosso dia simplesmente evapore. Continue lendo “Vincular-se à rotina sem estar condenado a ela”

A importância da singularidade no processo de seleção de pessoas

A importância da singularidade no processo de seleção de pessoas

Pedro é gerente em uma multinacional e seu sobrenome é “trabalho”. Desde que ingressou neste emprego, há sete anos, ele se esforça para demonstrar suas competências técnicas e comportamentais.  Está online praticamente 24 horas por dia. O tempo dedicado à família, amigos e à academia está seriamente prejudicado. Sua alimentação está longe de ser adequada e frequentemente consome comida industrializada e lanches. Pedro possui uma série de fatores que o fazem acreditar que qualquer pessoa que não seja capaz de atender ao mesmo ritmo de trabalho que ele adota e a priorizar o trabalho em detrimento às outras esferas da vida não estão comprometidas com a carreira e o sucesso da corporação. Continue lendo “A importância da singularidade no processo de seleção de pessoas”

Diversidade como fator estratégico para a inovação

Diversidade como fator estratégico para a inovação

Muito embora a diversidade ainda esteja comumente associada a grupos considerados minoritários, a definição mais adequada é aquela que transcende gênero, raça, etnia, diversidade sexual, pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida, gerações e outros parâmetros, concentrando-se, sobretudo, na pluralidade de pensamento, formas de criar e aprender, que são o motor da inovação. Continue lendo “Diversidade como fator estratégico para a inovação”